Abdominoplastia

Project Title Project Title

Abdominoplastia

É a cirurgia que possibilita redefinir a silhueta da região abdominal, pelo tratamento da musculatura e da retirada do excesso do tecido dermo-gorduroso.

Nesse mesmo procedimento também se pode lipoaspirar a gordura localizada na região da cintura, de forma a definir melhor o contorno do abdomen. As técnicas referidas como mini-abdomen ou lipoabdominoplastia são variações dessa técnica clássica e, em alguns casos, permitem cicatrizes menores.

Nas mulheres, é aconselhável que tal procedimento ocorra somente após optarem para que não haja gravidez futura. Isso poderá comprometer a estabilidade do resultado , embora a cirurgia não modifique a fertilidade feminina e não interfira nas modificações uterinas e abdominais que ocorrem normalmente no processo de gestação.

O peso deverá ser o menor possível na época da cirurgia. Entretanto em alguns casos específicos, é possível que o procedimento seja indicado mesmo que o paciente esteja acima do peso ideal, havendo assim um estímulo radical para recuperação de sua auto-estima, desde que bem entendidas as limitações do resultado decorrentes desta situação. Isso o influenciará a ter hábitos alimentares corretos e atividade física regular no pós-operatório , reduzindo o excesso de peso e permitindo a redefinição de um perfil corporal adequado. . No caso de emagrecimento acentuado pós cirurgia de obesidade, a cirurgia será feita somente após a estabilização final da perda de peso pretendida pela equipe de Gastrocirurgia.

Pacientes fumantes , obesos e/ou diabéticos têm risco aumentado de haver intercorrências cirúrgicas relativas às questões vasculares e cicatriciais. Entretanto estas condições não são contra-indicações absolutas à cirurgia.

O resultado começará a se evidenciar a partir do 1º mês, de acordo com o desaparecimento do inchaço, sendo necessário no mínimo 6 meses de evolução pós operatória para a melhor definição do mesmo.

CICATRIZES

Uma delas será posicionada de forma curvilínea na prega abdominal, sendo sua extensão proporcional à flacidez existente na área. Outra menor será posicionada ao redor do umbigo.

Excepcionalmente, nos casos em que a flacidez abdominal seja insuficiente, poderá ser necessária outra cicatriz posicionada verticalmente e próxima ao púbis, para permitir que a pele seja tracionada até essa região sem tensão excessiva nesse segmento, o que diminui o risco de haver sofrimento da pele nessa área. Essa cicatriz vertical poderá ser minimizada ou excluída, numa futura revisão cirúrgica, após 6 meses, se a paciente assim desejar, embora raramente seja necessário.

Já naqueles pacientes que emagreceram radicalmente após cirurgia para redução do estômago e apresentem flacidez extrema, além da cicatriz na prega abdominal, poderá ser necessário também haver uma cicatriz vertical , posicionada na extensão da parte inferior do tórax até o púbis , o que permite ajustar ao máximo toda a pele excedente ( resultando as cicatrizes num formato em âncora ). Neste caso, tal cicatriz vertical não poderá ser excluída futuramente.

Pode ocorrer alguma alteração da sensibilidade cutânea na região operada, principalmente na região abaixo do umbigo, que geralmente é transitória.

A qualidade final das cicatrizes será influenciada pela genética individual , por fatores locais e cuidados pós-operatórios.

ANESTESIA- INTERNAÇÃO

O anestesiologista definirá a mais adequada ao caso. Geralmente é a peridural, podendo ser indicada a do tipo geral.

Internação geralmente de 24 à 48hs.

Pré-Operatório

Todos os exames clínicos e laboratoriais de rotina, inclusive ultra-sonografia abdominal.

Avaliação clínica e anestesiológica.

Documentação fotográfica da região a ser operada.

Drenagens linfáticas são aconselhadas já nesta fase.

Pós-Operatório

Uso de medicação antibiótica, antiinflamatória e analgésica.

O dolorimento local geralmente é discreto ou moderado.

Uso de dreno aspirativo por 3 a 5 dias, para evitar coleção liquida na área operada, denominado seroma.

Se isso ocorrer após a retirada do dreno, será necessário fazer uma punção para aspirar esse líquido acumulado. Esse procedimento é indolor e simples.

Deambulação e banho no 1º dia.

Haverá restrições a movimentos amplos do corpo , tarefas do lar, dirigir e exercícios físicos por 30 dias.

Caminhadas e ginástica em academia / hidroginástica após o 1º / 2º mês . Exposição solar após 3 meses.

Drenagens linfáticas são aconselhadas a partir da 1º semana, por 4 a 8 semanas. Uso de malha cirúrgica modeladora por 30 dias.

Documentação fotográfica da região operada a partir do 8º mês.

Curativo e Retirada de Pontos

Curativo simples. Uso de fitas adesivas de "micropore" diretamente sobre as cicatrizes, sendo as áreas lavadas normalmente durante o banho e secas adequadamente.

As mesmas serão trocadas geralmente a cada 4 dias, nos primeiros 15 dias, conforme orientação médica. Retirada de pontos entre o 7º e 15º dia pós-op.

Após retirada completa dos pontos, iniciar massagens com cremes antiinflamatórios diretamente nas cicatrizes, associado ao uso de uma lâmina de silicone sobre as mesmas, durante 2 a 6 meses

Dr. Roberto Sterza

testi4 rsterza@uol.com.br

testi4 +55 (19) 3294 2131

testi4 +55 (19) 3254 4621

Fale conosco